NÃO SOU BOM COM DIÁLOGOS!

Tempo de leitura: 2 minutos

Recebi um e-mail muito interessante. Um leitor e seguidor da Escola de Roteiro me relatou o quanto desacreditava nos diálogos que criava. Ele contou que mandava bem na estrutura e na criação do universo, mas errava feio nas palavras ditas pelos personagens.

E então, ele encontrou uma saída pra isso: desenvolver apenas o argumento e vender a ideia pra alguém.

Será esse realmente o melhor caminho?

Eu não acredito nessa proposta. Foi o que eu respondi pra ele. É lógico que você pode vender o argumento para um produtor executivo ou ainda pode desenvolver uma parceria com outro roteirista que seja melhor em diálogos.

As duas situações funcionam. Não é um caminho ruim. Também está longe de ser o melhor caminho.

O problema é se distanciar de algo que você pode aprender a fazer. Escrever um filme é tarefa longa, diária, difícil, cansativa. Requer fôlego, insistência e consistência. Ninguém nasce escrevendo diálogos. Entretanto, existem diversas técnicas para escrever boas conversas. Você precisa praticar.

Possivelmente você já deve ter ouvido a frase: “é necessário encarar de frente os seus medos”. Quanto mais você se aproximar do penhasco, menos medo de altura você vai ter. Tem medo do mar? Que tal fazer uma aula de surf?

Um caminho pra quem não se sente confortável ao criar diálogos é escrever diálogos. Parece contraditório, porém é a melhor solução cabível.

Quando nos esforçamos para fazer algo que não temos domínio suficiente, encontramos mais formas de driblar os obstáculos.

Ao se condicionar e enfrentar a dificuldade, na prática, você começa a analisar mais diálogos quando a TV está ligada, você repara com maior frequência no jeito que as pessoas conversam, você percebe com mais nitidez a forma com que as palavras saem da sua boca. E assim, no cotidiano criativo, você aprende a desenvolver bons diálogos!

Faz sentido pra você?

Pra delegar você precisa saber fazer. Se não, os resultados conquistados serão muito abaixo das possibilidades. A mesma coisa para vender um produto (aqui, no caso, um roteiro). Pra ganhar dinheiro em cima de algo você precisa acreditar nisso e saber como ele foi construído.

Imagina você vendendo um argumento:

“Você topa comprar essa história? Eu escrevi só o argumento porque não sou bom em diálogos”

As parcerias irão se intensificar quando você baixar a cabeça e encarar os desafios. E lembre-se: todos os detalhes de um roteiro são obstáculos a serem conquistados. Nenhum dos processos é simples e fácil. Mãos à obra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *