COMO ENCERRAR UMA HISTÓRIA: TIPOS DE FINAL

Tempo de leitura: 2 minutos

2017 está chegando ao fim, e essa é uma época em que as pessoas refletem muito sobre o ano que passou. Lembranças boas e ruins vêm à tona. Muitos fazem planos para o ano seguinte, reúnem-se com amigos e familiares. É um momento carregado de emoções e que marca o fim de um ciclo e o início de outro.

E o final de uma história? Será que também é repleto de emoções? Traz algum indicativo sobre os rumos que a vida do personagem irá tomar depois do final do filme? Tudo depende da proposta do autor, porém podemos encontrar esses elementos na composição do final de uma narrativa sim!

O final pode trazer as consequências do grande clímax e um desfecho para a história: uma surpresa ocorre, uma lição é aprendida, um objetivo é atingido, uma morte acontece, o caminho de um personagem vai para outra direção após tantas mudanças em sua vida. Inúmeros acontecimentos podem ser pensados para o final de uma história e existem três tipos de final que estão fortemente conectados com o objetivo do autor para o encerramento – e que funcionam principalmente em estruturas narrativas clássicas.

O primeiro tipo é o final idealista: o tão conhecido final feliz. Esse final é otimista, mostra o melhor que pode acontecer. As comédias românticas, por exemplo, utilizam muito esse tipo de final. Após tantos obstáculos e lições que passaram pelo caminho do personagem ao longo da história, tudo se resolve.

Analisando o impacto que um final pode causar no público, o final idealista é aquele que as pessoas não temem – diferente do final pessimista, em que uma carga negativa prevalece. O final pessimista tem uma capacidade muito forte de chocar, questionar, instigar reflexões. Inúmeras sensações podem estar presentes nesse final: ódio, medo, luto, desilusão, insegurança, violência, mentira.

O terceiro é chamado de final irônico, que traz uma mescla entre idealista e pessimista. Ambas as tendências vão estar presentes, o que torna esse tipo de final mais complexo, difícil de definir apenas em bom ou ruim. “Batman: O Cavaleiro das Trevas” apresenta justamente esse tipo de final. Embora os vilões tenham sido derrotados, muitas injustiças e tristezas marcam os momentos que encerram o longa-metragem dirigido por Christopher Nolan.

É importante ressaltar que não existe um final melhor ou pior que o outro e sim aquele que mais se encaixa na sua história. Além disso, nem sempre o desfecho significa um ponto final ou a entrega de todas as respostas. Às vezes, pode ser mais impactante deixar um ponto de interrogação na mente dos espectadores ou ainda sugerir questionamentos e dúvidas cujas respostas o próprio público pode buscar. As possibilidades para o encerramento de uma história são diversas.

Comente aqui qual o final de filme ou série que mais marcou você! Esse final era idealista, pessimista ou irônico?

  

         

1 comentário


  1. Eu adorei esse tema. Atualmente eu estou desenvolvendo uma história e o Final Irônico se encaixa perfeitamente no desfecho dela.

    Mais uma vez, Obrigado pelos ensinamentos.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *