TRÊS NÍVEIS DE CONFLITO QUE UMA HISTÓRIA PODE TER

Tempo de leitura: 3 minutos

Ao construir a jornada que o seu personagem irá trilhar, é fundamental pensar nos conflitos que ele enfrentará ao longo do caminho. O conflito é um elemento que coloca o personagem em movimento, revelando seus desejos, objetivos, ideais, emoções e traços da personalidade. Porém, os obstáculos de um personagem não se limitam a um vilão. Existem outras circunstâncias que desafiam os personagens – o antagonismo pode estar em diferentes contextos.

Robert McKee divide os conflitos em três níveis: interno, pessoal e extra-pessoal. No entanto, ao criar uma história, um roteirista não precisa escolher apenas um deles. É possível utilizar os três e desenvolvê-los ao mesmo tempo. O importante é ter consciência dos conflitos que estão sendo construídos para que seja possível aprofundar todas as potencialidades de uma narrativa.

O conflito interno está relacionado ao corpo, mente e emoções de um personagem. McKee nos fornece alguns exemplos na obra “Story. Substância, Estrutura, Estilo e os Princípios da Escrita de Roteiro”. Nesse tipo de conflito, o corpo de um personagem pode não reagir como ele esperava, não ser tão forte para exercer alguma atividade ou ágil o suficiente para fugir de um perigo. Os pensamentos do personagem podem não ser tão rápidos, profundos e espertos como ele desejaria a ponto de não saber como agir em determinada circunstância ou levá-lo a cometer algum erro. Além disso, o personagem pode ter uma emoção que não esperava.

Aspectos da personalidade como insegurança, medo ou crises existenciais também podem desencadear alguma dificuldade – são conflitos que ocorrem no âmbito íntimo. Vemos um exemplo de conflito interno no filme dirigido por Sofia Coppola “Encontros e Desencontros”, que retrata a angústia da protagonista Charlotte por não saber qual carreira seguir ou qual rumo dar para a sua vida.          

O segundo nível de conflito é o pessoal. Aqui estão envolvidos amigos, família, relacionamentos amorosos e profissionais. O mais importante é compreender que não estamos falando necessariamente da figura clássica de um vilão que vemos em histórias de super-heróis ou em telenovelas, pois existem inúmeras possibilidades para elaborar esse tipo de conflito: personagens que competem pelo mesmo objetivo, que desejam coisas diferentes ou que discordam na forma como enxergam uma situação. O conflito pessoal está associado às pessoas que existem no universo do personagem (ou que, de alguma forma, cruzam o seu caminho e marcam sua história).

Já no conflito extra-pessoal, a fonte de antagonismo pode ser um desastre natural (terremoto, maremoto, enchente), um conflito entre indivíduo e instituições sociais (Igreja, governo) ou o preconceito, conforme vemos na série Cara Gente Branca (título original Dear White People), que aborda o racismo e toda a luta dos protagonistas para combatê-lo. A série também nos mostra – por meio dos conflitos pessoais e internos vividos pelos personagens – que os três níveis de conflito podem coexistir dentro de uma história e, inclusive, estar relacionados entre si.  

Qual nível de conflito você gosta mais de escrever? Conte aqui nos comentários!

1 comentário


  1. Ótimo artigo! Direto e sucinto.
    Eu particularmente, gosto mais de escrever sobre os dois primeiros conflitos, o segundo mais ainda!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *